sexta-feira, 27 de maio de 2011

A manisfestação artística de jovens negros e negras: o Hip Hop brasileiro

Olá! O Hip Hop é uma forma de manifestação artística contra a opressão racial e a desigualdade de classe social. Extraí este trecho de uma matéria, do site Com Ciência, que discute as características do Hip Hop no Brasil e fala da influência do samba nesta manifestação. Edwiges

"Hip Hop fala contra o racismo e a desigualdade social

Muitas das manifestações culturais brasileiras estão identificadas com a população negra. O samba, caboclinho, maracatu, movimento Mangue Beat, capoeira e muitas outras são lembradas como parte da grande contribuição dos negros para a cultura nacional. Dentro dessa diversidade, o movimento Hip Hop tem ganhado cada vez mais destaque no Brasil e atraído muitos jovens, especialmente aqueles que moram nas periferias.
Não é nada fácil entender o Hip Hop, que veio da periferia nova iorquina para o Brasil no final da década de 1980, via indústria fonográfica. É um movimento com várias tendências internas, mas que pauta-se pela denúncia da exclusão social e pela discussão de questões relativas à história e à identidade dos negros.
Formado por três elementos - o rap (música), o break (dança) e o grafite (desenho) - ao chegar no Brasil ele foi influenciado pela cultura local e adquiriu novos traços e novas formas de manifestação. Em parte, por causa da influência cultural local, o Hip Hop brasileiro diferencia-se do norte-americano. "O brasileiro é muito melhor do que o americano, que foi banalizado. Muitos representantes do Hip Hop lá fora se venderam para o sistema. Eles não querem ver o bem do povo deles, eles querem que o seu povo se mate para conseguir um Nike, um carro... No Brasil, o Hip Hop é mais consciente, quer ver o povo melhorar, prega a informação", afirma Cibele Cristiane Rodrigues, militante do movimento.


Cibele e Verônica, militantes do Hip Hop
Fotos: Márcia Tait
Não é à toa que o Hip Hop tem ganhado cada vez mais militantes e mais espaço no Brasil. Segundo Viviane Melo de Mendonça Magro, psicóloga que estuda o movimento no Brasil, com ênfase na questão de gênero, sua popularidade se deve ao fato de ser um movimento enraizado nas experiências de jovens e pessoas que vivem na periferia, além de ser muito organizado. "As histórias do rap são histórias fictícias ou reais de pessoas que vivem na periferia, baseadas na vivência na periferia. Para elas, o Hip Hop é uma forma de resistência e mudança da realidade", conta Viviane Magro.
(...)"
LEIA a continuação desta matéria no site Com Ciência.
Disponível em: http://www.comciencia.br/reportagens/negros/09.shtml . Acesso em: 27 de mai 2011.
=================================
Apresentação de Marcelo D2, gravada pela TV Cultura. Música: 1967.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será exibido caso esteja de acordo com os termos estabelecidos no blog. Atenciosamente, Edwiges